Um Novo Pentecostes (13/06/2016)

por Renato PasteneAzuza

No dia 13 de Junho, tive um sonho. No sonho, estava retornando em um voo de Israel para o Brasil e iria fazer uma escala em Los Angeles, nos Estados Unidos. O avião pousou em Los Angeles! Antes de retornar para o Brasil, fomos fazer um passeio de carro pela cidade e comecei a me lembrar do avivamento que aconteceu na rua Azuza, em Los Angeles, no início do século passado. Ao lembrar deste avivamento, olhei para o prédio ao lado e reconheci que era o prédio onde esse avivamento aconteceu. Vi então escrito na placa ao lado “AZUZA”.  Eu estava na Azuza Street e fiquei muito impressionado com isso!

Interessante que hoje, dia 13 de Junho, é o Dia de Pentecostes no calendário bíblico-judaico. O que aconteceu na rua Azuza foi muito semelhante com o que aconteceu no Dia de Pentecostes em Atos 2. Eles foram revestidos com o fogo e o Espírito de Deus e iniciou-se um verdadeiro movimento missionário apostólico levando o Reino e o poder de Deus para diversas nações!

Esse sonho em conexão com o Dia de Pentecostes no calendário judeu é revelador: expõe a intenção de Deus em fazer novamente, agora, o que fez com os discípulos do Messias em Atos 2 e o que fez com os queridos irmãos em Los Angeles, na rua Azuza! Assim como Ele derramou o Seu Espírito naqueles dias, Ele deseja derramar sobre nós nestes tempos! Amém.

Acho muito significativo que em meu sonho o voo vinha de Israel, passava pelos Estados Unidos e, depois, chegaria ao Brasil! Assim aconteceu na história! 1º foi em Israel,  Atos 2; Depois em Los Angeles, nos Estados Unidos. Agora, o derramar que o Senhor quer trazer ao Brasil é potencialmente forte, um Pentecostes, para abalar as nações!

“Então a sua voz abalou a terra, mas agora ele prometeu, dizendo: Ainda uma vez abalarei, não só a terra, mas também o céu. Ora, está palavra: Ainda uma vez, mostra a remoção das coisas abaláveis, como coisas criadas, para que as inabaláveis permaneçam. Pelo que, tendo recebido um reino que não pode ser abalado, retenhamos a graça, pela qual sirvamos a Deus agradavelmente com reverencia e santo temor, pois o nosso Deus é fogo consumidor” Hebreus 12.26-29